terça-feira, 22 de maio de 2012

Bullying e homofobia nas escolas


Esse assunto tem estado muito em evidência ultimamente, e deve ter gente se perguntando por que há tanta insistência no assunto.  Afinal, já não se falou o suficiente? As pessoas já não estão 'carecas' de saber?

Sim, as pessoas sabem que o bullying acontece, mas é só. A solução ainda está longe de ter sido alcançada, e isso porque envolve uma série de fatores.

Bullying em geral já é ruim, mas quando acontece com alguém por motivos que ele ou ela consegue conversar com os pais ainda há uma saída, porque os pais podem ir à escola e conversar com a direção e os professores e tentar achar uma solução. Um trabalho interessante neste sentido foi feito em uma escola em Porto Alegre e pode ser visto aqui: "CAMINHOS DA ESCOLA ESPECIAL -DESAFIO BULLYING".

No entanto, quando se trata de adolescentes LGBT o panorama muda. Muitas vezes o/a adolescente não pode contar para os pais que sofre bullying na escola pelo simples motivo de que ele não pode contar sobre a sua homossexualidade para os pais. A maioria dos pais não está preparada para lidar com essa realidade, existem inúmeros relatos de jovens LGBT que são obrigados a esconder da família o que são e, portanto, também não podem contar com a ajuda dos pais para tentar uma solução junto à escola. Isso leva a situações como essa descrita em um artigo da Unesco, sobre evasão escolar:

Bullying homofóbico colabora com evasão escolar, diz Unesco  "Pesquisas recentes, como o estudo Discriminação em razão da Orientação Sexual e da Identidade de Gênero na Europa, do Conselho da Europa, identificaram que como resultado do estigma e da discriminação na escola, jovens submetidos ao assédio homofóbico são mais propensos a abandonar os estudos. Também são mais predispostos a contemplar a automutilação, cometer suicídio e se engajar em atividades ou comportamentos que apresentam risco à saúde."

Essa situação de isolamento total, na qual o/a jovem não pode contar com ninguém para ajudá-lo pode levar a extremos como o suicídio e outros problemas. Um caso ocorrido no Brasil ilustra o abandono em que se encontram jovens assim:




Mesmo quando não chega a esse ponto, há sérias consequências. Em um estudo feito nos EUA concluiu-se que há uma tendência maior à depressão e ao comportamento de risco e de contrair DSTs.

EUA: Novos dados relacionambullying homofóbico na escola com o suicídio, VIH e doenças sexualmente transmissíveis  Jovens adultos LGBT que relataram altos níveis de vitimização LGBT na escola durante a adolescência tiveram 5,6 vezes mais probabilidade de terem tentado suicídio, 5,6 vezes mais probabilidade de uma tentativa de suicídio que necessitaram de cuidados médicos, 2,6 vezes mais probabilidade de relatar níveis clínicos de depressão, e duas vezes mais probabilidade de ter sido diagnosticado com uma doença sexualmente transmissível e de comportamentos de risco para a infecção VIH, em comparação com os colegas que relataram baixos níveis de vitimização da escola.Homens jovens adultos gays, bissexuais e transgéneros relataram níveis mais elevados de vitimização LGBT na escola do que as mulheres lésbicas e bissexuais jovens.Jovens adultos LGBT que relataram níveis mais baixos de vitimização na escola relataram níveis mais elevados de auto-estima, satisfação de vida e integração social em comparação com os pares com maiores níveis de vitimização da escola durante a adolescência.




No Brasil a situação não é diferente. Conforme um estudo feito aqui:
Maioria dos jovens brasileiros discrimina homossexuais, diz estudo  Um estudo coordenado pela pesquisadora Miriam Abramovay apontou que 45% dos alunos e 15% das alunas não queriam ter colegas homossexuais.Conforme Miriam, esse preconceito se traduz em insultos, violências simbólicas e violência física contra os jovens homossexuais. Ela destaca que se trata de violência homofóbica, por parte de toda a sociedade, inclusive de familiares, e não apenas bullying (que é a violência entre pares). De acordo com a pesquisadora, essa violência gera sentimentos de desvalorização e sentimentos de vulnerabilidade nos jovens homossexuais.Diante desses fatos, a deputada Erika Kokay (PT-DF) apontou como urgente que o governo retome o projeto Escola sem Homofobia.

Em uma entrevista feita recentemente com o deputado Jean Wyllys, ele conta um pouco sobre a sua própria experiência como vítima de bullying na escola:
Violência contra homossexuais tem origem na infância, diz Jean Wyllys  Deputado contou sua própria experiência durante o seminário.O deputado Jean Wyllys (Psol-RJ) destacou há pouco que a violência contra os homossexuais, que inclui casos diários de assassinatos, tem origem na infância. Ele participa do 9º Seminário Nacional de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (LGBT), organizado pelas comissões de Direitos Humanos e Minorias; e de Educação e Cultura.Wyllys, que é coordenador da Frente Mista pela Cidadania LGBT na Câmara, deu depoimento pessoal sobre sua infância em Alagoinhas, no interior da Bahia. Ele não se identificava, a partir dos 5 anos, com “coisas de meninos”, como futebol. “Eu gostava de fazer desenhos, brincar de roda, de cantar e de brincar de boneca com as minhas primas. Eu gostava de coisas de menina”, disse.
Segundo ele, nessa época começou a ser chamado de apelidos ofensivos e receber outras injúrias, além de ser vítima de violência física, por parte de outras crianças e também por parte de adultos, inclusive familiares. “Essas crianças não recebem nenhuma defesa na escola, e os professores muitas vezes inclusive culpam as crianças pelas injúrias recebidas”, afirmou. “Quem mandou ter esse jeitinho?, perguntam as professoras”. Segundo ele, os efeitos do tratamento hostil nas crianças e adolescentes vão da timidez a deficiências da fala, chegando a psicoses.

A quem cabe resolver o problema? Àquele que tem o poder para isso. Diante de tantas evidências de que o bullying de fato ocorre nas escolas, e considerando que os pais e professores estão sem nenhum preparo para lidar com a situação, fica muito claro que a solução precisa vir das autoridades. O Kit Anti-Homofobia que foi vetado pela presidente Dilma é uma das coisas de que precisamos para mudar o panorama do bullying nas escolas.

A omissão descrita por Jean Wyllys na entrevista parece ser comum. Como se pode ver no vídeo sobre o suicídio ocorrido no Brasil, a professora também se omitiu. Pode-se concluir que muitos professores se omitem possivelmente porque eles mesmos são homofóbicos. Embora não cometam violência eles mesmos, permitem que aconteça. Nas palavras do irmão do menino de 14 anos que se suicidou: "olha aí ó, meu irmão tá apanhando aí, tem uns moleque batendo nele aí. Aí ela [a professora] 'ah, não tenho nada a ver com isso, a briga é de vocês' "

Quando a criança sai do ambiente da família para o ambiente maior que é a escola, em seu processo gradual de se inserir na sociedade, ela precisa ser protegida. Não é correto tratá-la como se fosse uma pessoa adulta, já plenamente capaz de se defender, nem de agressões verbais, muito menos físicas. E muitas vezes a orientação tem que vir de cima: são as autoridades que precisam mandar um recado muito claro de que a omissão diante desse tipo de conduta é inadmissível.

Åsa Heuser
vice-presidente da LiHS
para o Conselho LGBT da LiHS

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Affiliate Network Reviews